Anticoncepcional de emergência ou pílula do dia seguinte

Foto: Reprodução

Conhecido como pílula do dia seguinte, o contraceptivo de emergência tem que ser tomado em até cinco dias depois de uma relação sexual desprotegida para impedir a gravidez, mas não impede a transmissão de doenças sexuais.

Não funciona também como pílula abortiva, já que não barra uma gestação em andamento.

Quanto mais rápido depois da relação sexual a pílula do dia seguinte for tomada, maior é a eficácia. Ao contrário do que se imagina, não basta tomar apenas uma pílula: é preciso seguir as instruções e tomar as doses indicadas na bula.

A pílula do dia seguinte não faz mal em si, por ter pequena dose hormonal, porém seu maior risco é não funcionar em 100 por cento dos casos e a gravidez ocorrer de qualquer jeito.

Como a pílula do dia seguinte funciona?

A pílula do dia seguinte, tecnicamente chamada de contracepção de emergência, é um método que impede a gravidez depois de uma relação sexual sem proteção. Não é, contudo, um método para evitar doenças sexualmente transmissíveis, como Aids, sífilis ou herpes.

Ela funciona através de uma combinação de hormônios (anticontraceptivos hormonais orais combinados ou AHOC), que temporariamente bloqueia a ovulação e interfere na fecundação — impedindo que um óvulo fertilizado seja implantado no útero. Funciona até cinco dias depois de uma relação sexual desprotegida, mas a eficácia nas primeiras 24 a 72 horas pós-sexo é bem maior.

Depois disso, são maiores as chances de uma gravidez indesejada.

Mesmo que você use a pílula de emergência e venha a engravidar, não há indícios de que isso possa atrapalhar a gravidez ou o desenvolvimento normal do embrião.

É importante lembrar que anticoncepcional de emergência não é uma pílula abortiva. Ela não interrompe uma gravidez em curso, e não impede a gestação se houver relação sexual desprotegida novamente.

Na realidade, a mulher pode ficar ainda mais fértil depois de tomar um anticoncepcional de emergência, devido ao adiamento da ovulação. É importante usar um outro método anticoncepcional para evitar gravidez indesejada.

A pílula do dia seguinte sempre funciona?

Conforme foi dito acima, o anticoncepcional de emergência funciona (cerca de 88 por cento de eficácia) se for tomado no prazo certo e da forma recomendada pelo fabricante. Ou seja, não adianta tomar depois de já estar grávida ou tomar só uma parte da dose prescrita.

Como a cobertura da pílula não é de 100 por cento, algumas mulheres podem sim acabar engravidando mesmo após ter tomado o hormônio. Para evitar uma gravidez indesejada, o mais garantido é usar corretamente um método anticoncepcional tradicional (pílula, DIU, injeção hormonal).

Quando vale a pena usar um anticoncepcional de emergência?

A pílula de emergência reduz significativamente a chance de ocorrer uma gravidez nas seguintes situações:

  • Camisinha furada ou que saiu do lugar e ocorreu ejaculação na região vaginal.
  • O diafragma saiu do lugar e ocorreu ejaculação na região vaginal. Ou ainda se o diafragma foi retirado rápido demais depois do sexo.
  • Você esqueceu de tomar a pílula anticoncepcional e transou.
  • Você atrasou para tomar a injeção anticoncepcional e transou.
  • Você estava usando a tabelinha e calculou errado seus dias férteis.
  • Você transou sem se programar e não usou nenhum método de proteção.
  • Vocês planejavam usar o método do coito interrompido mas seu parceiro não retirou o pênis da vagina a tempo e acabou ejaculando dentro.

Além disso, a pílula do dia seguinte é de grande valor para mulheres vítimas de violência sexual e pode ser obtida gratuitamente nos postos de saúde, inclusive por menores de idade desacompanhadas.

Pode também ser comprada em farmácias sem a necessidade de receita médica. É importante, contudo, fazer uma pesquisa rápida pelo nome comercial desse tipo de pílula, para evitar levar o hormônio errado na hora H.

Quando tomar a pílula de emergência?

Apesar do apelido de pílula do dia seguinte, o ideal é não esperar até o dia seguinte para tomá-la. Tome a pílula assim que possível depois de ter tido uma relação sexual sem proteção.

Lembrando que, quanto mais tempo passar, menor a eficácia da pílula.



Existe algum efeito colateral da anticoncepção de emergência?

Milhões de mulheres já usaram esse tipo de pílula em diversos países sem que houvesse relatos de complicações graves. Porém pode ser que você passe por algum desconforto após tomar a pílula.

Entre os efeitos colaterais estão um pouco de náusea por um ou dois dias e, menos comum, vômito, dor de cabeça, tontura, sensibilidade nos seios e cólica. Mas a reação pode variar dependendo do tipo de pílula do dia seguinte.

Para minimizar o mal-estar, os especialistas recomendam tomar um remédio antiemético (antivômito) uma hora antes de cada dose da pílula de emergência. A dose da pílula do dia seguinte varia de acordo com o método hormonal e o fabricante – pode ser dose única ou pode ser de dois a quatro comprimidos, com ou sem intervalo.

Se mesmo assim você vomitar até duas horas depois de tomar a pílula, repita a dose. Caso vomite novamente em até duas horas, a opção é a administração via vaginal, que não é ideal.

Alguma medicação pode interferir com a pílula de emergência?

Converse com o médico se você toma medicações para convulsões ou antirretrovirais, porque elas podem interferir sim com a eficiência da pílula. O mesmo vale para certos antibióticos, creme antifúngicos e até remédios homeopáticos.

Quem amamenta também pode usar anticoncepcional de emergência?

Sim, os anticoncepcionais de emergência são considerados seguros para quem está amamentando.

Eles também não interferem com as chances futuras de engravidar.

Quando é que a menstruação volta?

Pode haver sangramento dias depois de tomar a pílula. Se o volume for igual ao de uma menstruação, pode ser contado como menstruação. Caso o volume seja pequeno, é bom ficar de olho para ver se a menstruação virá posteriormente.

A maioria das mulheres volta a menstruar em até um mês depois de tomar pílula do dia seguinte, embora não seja anormal que a menstruação apareça uma semana antes ou depois do que de costume para o ciclo.

Se você não menstruar uma semana depois que o esperado e já tiver passado 10 dias da relação sexual sem proteção, é aconselhável fazer um teste de gravidez (não adianta fazer cedo demais, porque o resultado pode dar negativo mesmo que você esteja grávida).

Quando buscar ajuda médica depois de usar anticoncepcional de emergência?

Procure o médico se:

  • Tiver dor abdominal ou pélvica intensa, ou sentir muita dor nas pernas
  • Tiver sangramentos irregulares que persistem depois de alguns dias ou cólica uma semana depois
  • Achar que está grávida
  • Achar que foi exposta a alguma doença sexualmente transmissível
  • Considerar que seu atual método anticoncepcional não está funcionando e quiser trocar

Fonte: Baby Center Brasil

Confira matérias relacionadas: